Certificados de línguas na escola pública

exame[1]Os alunos do 11.º ano vão poder realizar testes com certificação internacional a várias línguas, à semelhança do que acontecia com a prova de inglês Preliminary English Test (PET), suspensa em 2016 pelo actual executivo.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira na comissão parlamentar de Educação e Ciência pelo secretário de Estado da Educação, João Costa: “Estamos a trabalhar para que os alunos que fazem exames nacionais a línguas possam ter acesso a certificados internacionais.”

A medida destina-se a alunos do 11.º ano que realizem os exames nacionais de Inglês, Francês, Alemão e Espanhol, que poderão ter uma certificação internacional a essas línguas.

Aproveitar os exames do secundário para certificar o domínio de línguas estrangeiras – que não apenas o Inglês – parece-me uma boa ideia. Sobretudo se, ao contrário do que fez Nuno Crato, não se começar a construir a casa pelo telhado.

Os portugueses até parecem ter, comparativamente com outros povos, uma certa facilidade na aprendizagem de outras línguas. E, no entanto, o Inglês, que os nossos alunos começam a aprender logo no 1º ciclo, é uma das disciplinas que no 3º ciclo apresenta maiores e mais recorrentes níveis de insucesso.

É necessário perceber o que está a falhar no ensino das línguas estrangeiras, eventualmente ajustar os programas e competências a desenvolver de acordo com o nível etário dos alunos e apostar mais em áreas que estarão eventualmente a ser descuradas como, por exemplo, o desenvolvimento da oralidade. O que não se consegue com turmas grandes, a não ser que se façam, nalgumas aulas, desdobramentos.

A prioridade deve ser, então, elevar as competências linguísticas dos nossos jovens e melhorar as condições em que se ensinam e aprendem as línguas estrangeiras: só depois fará sentido pensar em validar, através de um certificado internacional, as competências dos nossos alunos.

Um exame deve ser sempre um ponto de chegada. Não pode ser, como teimava Nuno Crato, um ponto de partida.

Anúncios

Os alunos que estudam demais

exam-question[1]Estudam 15 horas por semana além do horário escolar, não valorizam outras atividades e revelam pouca criatividade, revela estudo.

As escolas portuguesas premeiam e trabalham para a excelência dos alunos, formando estudantes que “sabem reproduzir fórmulas mas com pouca criatividade e pouco raciocínio”. Esta é a principal conclusão de uma investigação, realizada nos últimos dois anos, em 490 escolas por investigadores da Universidade do Minho. São alunos que vivem para as notas, estudam mais de 15 horas por semana além do horário escolar e 40% têm explicações.

A notícia completa só está disponível para assinantes do JN. Pelo que, ficando-me apenas pelas letras gordas e o breve resumo que é apresentado, sobram-me algumas dúvidas sobre o conteúdo da notícia. E uma quase certeza: tem todo o ar de estudo encomendado, numa altura em que interessa “provar” que o ensino é demasiado traumatizante para os alunos, que estes são infelizes na escola, que decoram em vez de compreender, que memorizam e “despejam”, nos testes e exames, conhecimentos “inúteis”, em vez de desenvolverem a criatividade, o raciocínio, o espírito crítico e a autonomia.

Percebe-se bem, e já não é novidade, a linha de raciocínio. O problema é quando estas narrativas laboriosamente construídas não batem certo com a realidade.

Os alunos verdadeiramente “de topo”, por exemplo, não me parece que sigam, na maioria dos casos, o padrão do aluno “marrão” que se tenta apresentar. Aliás, o que caracteriza o bom aluno é justamente o facto de aprender depressa, aproveitar bem o tempo, a começar pelo tempo da aula, onde sabe que se estiver atento e compreender as matérias poupará muitas horas de estudo em casa. Sobra-lhe assim tempo para outras actividades, como praticar desporto ou conviver com os amigos.

O estudante que “reproduz fórmulas”, decora matérias ou recorre intensivamente a explicações é geralmente o aluno mediano que quer alcançar médias elevadas que lhe permitam entrar em Medicina ou noutro curso superior de média elevada.

O pensamento crítico, reflexivo e criativo, ao contrário da ideia em que tanto se insiste ultimamente, não nasce do nada: há uma base prévia de conhecimentos sólidos e estruturados a partir da qual ele deve ser construído. Ignorar isto é promover o achismo idiota e ignorante de quem lança “bitaites” sem ter noção do que está a dizer.

Quanto às quinze horas semanais de estudo, elas serão eventualmente excessivas, mas não tão graves como o tempo que é roubado às horas de sono para ser passado nos jogos e no entretenimento online ou nas redes sociais.

Contudo, a questão de fundo terá sempre a ver com aquilo que é ser estudante e as exigências que se deve fazer a quem tem no estudo a sua principal ocupação. O que me parece é que andamos a pressionar os jovens para serem estudantes durante cada vez mais tempo. E há alguns que pura e simplesmente não gostam de estudar, o que deveria ser respeitado. Ou que enveredam por uma via profissionalizante que, sendo igualmente digna e útil aos próprios e à sociedade, deveria ser mais valorizada. Por outro lado, aqueles que têm gosto e interesse nos estudos devem ser incentivados a darem o melhor de si mesmos. Ou não fossem eles, precisamente, estudantes.

Os alunos sofredores

verdasca.JPGO comissário político do ME para a promoção do sucesso escolar fez ontem declarações públicas na Maia, onde foi lançado um novo projecto de combate ao insucesso e ao abandono escolares. Saindo um pouco das competências que lhe estão atribuídas, José Verdasca abordou os problemas do acesso ao ensino superior, uma área onde se percebe que o governo pretende intervir, mas ainda anda à procura da melhor forma de o fazer. E embora tenha dito algumas coisas acertadas, a sensação com que se fica, ao ler a notícia do Público, é a de um emaranhado de ideias, confusas e incoerentes. Na tradição, aliás, do discurso eduquês puro e duro, que ao afirmar tudo e o seu contrário, abre caminho ao seu uso para os fins mais inconfessáveis.

“Os alunos estão a sofrer imenso no secundário”, disse, acrescentando que “milhares de alunos de 15 anos” estão, “no final do 1.º período, com uma média que compromete entrar em engenharia espacial, medicina ou outras engenharias”.

“Esta área representa cerca de 70% das opções [feitas pelos alunos], e isto tem muito a ver com esta assimetria da sociedade, quer pela representação social que as pessoas têm dessas profissões, quer pelos estatutos remuneratórios que essas profissões proporcionam. E cria uma distorção enorme na procura das ofertas educativas no nível superior”, sustentou.

As assimetrias de que fala Verdasca decorrem do contexto económico e social em que as escolas, os alunos e as famílias se integram, e nesse sentido existirão sempre, independentemente de haver mais ou menos exames ou das mudanças que se venham a introduzir no sistema de acesso ao ensino superior. Enquanto áreas como a medicina, as engenharias, a informática ou a gestão continuarem a oferecer emprego altamente qualificado e a remunerar acima da média do mercado de trabalho, os cursos que habilitam para estas áreas terão sempre maior procura do que os restantes.

Se estamos preocupados com o “sofrimento” dos jovens, então talvez não devêssemos andar a mentalizá-los, desde pequenos, de que “podem ser o que quiserem”, ou a deixá-los convencer-se de que podem alcançar metas difíceis sem que da sua parte tenha de haver esforço, empenho e ambição. E talvez valesse a pena um esforço colectivo no sentido de criar mais e melhores oportunidades de trabalho e de vida para a imensa maioria dos nossos jovens, que não irão ser médicos, engenheiros aeronáuticos, gestores ou programadores.

Contudo, este processo de adequação das ambições e expectativas à realidade não deverá significar o abaixamento dos níveis de exigência do ensino secundário. E é aqui que, conhecendo o universo mental em que se move esta gente, é de temer que a “discussão” que Verdasca propõe tenda a conduzir à abolição de testes, exames e de outras avaliações rigorosas das aprendizagens, substituindo o conhecimento sólido e estruturado pelas vacuidades do aprender a aprender, das transversalidades e da busca da facilidade… perdão, da felicidade.

A maior responsabilização das universidades na selecção dos seus futuros alunos, que também defendo, não deve servir para que o ensino secundário, liberto da responsabilidade de preparar alunos para o superior, se possa dedicar em pleno ao experimentalismo pedagógico que os lobbies eduqueses, que têm ganho terreno no aparelho do ME, pretendem impulsionar. Pelo contrário, o fim daquela pressão deve permitir um desenvolvimento curricular mais equilibrado, melhores aprendizagens e, no final, a realização de provas nacionais para validar o nível de conhecimentos e competências efectivamente alcançado por cada aluno.

Claro que, perante os evidentes exageros de Verdasca, até David Justino, presente na sessão, cujas ideias e protagonismo tantas vezes critiquei, acaba por passar por pessoa ponderada e sensata. Pois…

…defendeu que não se deve “aliviar as expectativas” dos alunos e todos aqueles que “lutam para isso merecem respeito de todos”.

No seu entender, muitas escolas e alguns professores, ao quererem tratar os alunos de forma protegida, o que estão a fazer é baixar-lhes as expectativas.

“O nosso papel é dizer: tu vais conseguir, mas para isso tens de trabalhar, tens de te disciplinar e organizar na vida”, sublinhou.

David Justino é da opinião de que os jovens de hoje “têm de ser responsabilizados” e que “antes de serem bons profissionais têm de ser boas pessoas, com carácter”.

Aqui chegados, devemos notar, em jeito de conclusão, que esta parte de formar o carácter dos futuros cidadãos é provavelmente o desafio mais difícil dos professores, tendo em conta os inúmeros exemplos públicos de pessoas cujas óbvias falhas éticas e morais não os impediram de chegar aos mais altos cargos na vida política, no mundo empresarial e académico e na vida artística, cultural e desportiva…

Colaborações: ComRegras

No Topo: Confiança nos professores e nas escolas públicas

O estudo da agência Aximage divulgado esta semana confirma o que também já tinha sido detectado há dias numa análise semelhante da Universidade Católica: os professores e as escolas públicas continuam a estar entre os profissionais e as instituições em que os Portugueses mais confiam. Uma tendência que vem de longe e que habitualmente coloca os docentes, tal como os bombeiros ou os polícias, entre os profissionais mais merecedores do apreço e da confiança dos cidadãos…

topo-e-fundo_ComRegras

No Fundo: Os exames inflexíveis

A notícia teve pouca repercussão mediática, mas o assunto é suficientemente importante para merecer destaque imediato e acompanhamento atento: paira um sentimento de inquietação, nas escolas que estão a realizar a experiência pedagógica da flexibilidade curricular, perante a perspectiva de os seus alunos terem de vir a realizar, no final do básico e do secundário, os tradicionais e nada flexíveis exames nacionais. E perante isto, raras foram as escolas que se aventuraram a estender o projecto ao ensino secundário…

O medo aos exames

exames0_lv[1]O JN tocou ontem num ponto sensível da não assumida reforma curricular que o governo tenta desenvolver com um conjunto de escolas e directores “amigos”: quase ninguém se atreve a experimentar a flexibilidade curricular no ensino secundário, por causa dos exames nacionais…

Diretores e pais desejam mudanças nas metodologias em sala de aula e um novo regime de acesso ao Ensino Superior para libertar o Secundário e melhorar as aprendizagens dos alunos

O medo é assumido. A maioria das escolas que aderiram ao projeto-piloto de autonomia e flexibilidade curricular – que arrancou este ano letivo em 223 escolas – optaram por não aprovar planos para turmas do 10.º ano de cursos científico-humanísticos. A razão é simples, assumem os diretores ouvidos pelo JN: “Medo dos exames nacionais”. E alertam: se o Ministério da Educação não resolver o “dilema” entre os dois métodos de ensino, este receio pode revelar-se um obstáculo à generalização do projeto.

Há um evidente contra-senso quando se defende a ideia de que os currículos flexíveis melhoram as aprendizagens dos alunos e ao mesmo tempo se receiam os exames onde essas aprendizagens, supostamente, seriam postas à prova. Subitamente, revelam-se as fragilidades desta pequena revolução educativa que só garante resultados se estes não puderem ser objectivamente avaliados. Que é para isso que, no fundo, servem os exames: garantir que, independentemente das diferentes metodologias e estratégias pedagógicas utilizadas, há um conjunto bem definido de conhecimentos e competências que é efectivamente adquirido pelos alunos e mobilizado em novas situações – nos exames, no prosseguimento de estudos e, desejavelmente, ao longo da vida.

A curta e lacónica notícia – só temos direito a um resumo na versão online disponível gratuitamente – tem ainda uma outra afirmação reveladora: diz-nos que pais e directores desejam as mudanças que o SE João Costa pretende implementar.

Dando de barato que as associações de pais representam, nesta matéria, o verdadeiro sentir da generalidade dos encarregados de educação e que os 236 directores que meteram as suas escolas neste projecto são a voz de muitos mais que o pretenderiam fazer, continua a faltar aqui o elemento essencial de todas as reformas educativas: os professores.

Como de costume, ninguém – nem mesmo a imprensa – parece interessar-se em saber o que pensam os professores portugueses sobre uma reforma educativa que lhes está a ser imposta e que lhes exige, como já está a ser evidente nas escolas “reformistas”, uma brutal carga suplementar de trabalho sem quaisquer compensações.

Ainda assim, estes colegas que se preparem para, no final, e perante a modéstia de resultados que facilmente se adivinha, serem apontados como os culpados do costume. Vai uma aposta?…

A Educação Física conta ou não conta?

exercices009[1]Tinha sido anunciado, já há algum tempo, que a classificação da disciplina de Educação Física iria voltar a contar para a média do ensino secundário, revertendo-se assim uma decisão tomada no tempo de Nuno Crato. Contudo, perante as hesitações do governo, o BE tomou uma iniciativa parlamentar destinada a clarificar posições.

A Educação Física “sofreu uma acentuada desvalorização” por culpa da alteração verificada em 2012, consideram os deputados [do BE] na proposta de resolução que chegou ao Parlamento e que será discutida nesta quarta-feira na Comissão de Educação e Ciência.

Por isso, exigem a inclusão da classificação obtida nesta disciplina no cálculo da média de conclusão do ensino secundário — e, consequentemente, na média de acesso ao superior — como forma de a “valorizar”.

A questão não é fácil. Por um lado, há bons argumentos para defender que todas as disciplinas contem para o apuramento da média final do secundário. Afinal de contas, não deve haver disciplinas de primeira e de segunda categoria. Faz pouco sentido impor a Educação Física como obrigatória nos três anos deste ciclo – só o Português goza de semelhante estatuto – e depois considerar irrelevante a nota obtida pelos alunos. Sabendo-se, ainda para mais, que a nota tende a favorecer a maior parte dos alunos, que obtêm na disciplina uma das suas melhores classificações. E, finalmente, do balanço que é possível fazer desde que a nota deixou de contar para a média, notou-se que muitos alunos passaram efectivamente a demonstrar menor empenho numa disciplina que, aparentemente, “não serve para nada”.

Mas também se pode argumentar, de forma pertinente, em sentido oposto. Sabemos que que se trata de uma disciplina onde muito do que os alunos conseguem realizar deriva das capacidades físicas, da habilidade, do gosto e de uma motivação e talento que em larga medida são inerentes a cada um. E embora outros critérios possam ser valorizados pelos professores de EF – o esforço, o empenhamento, o espírito de equipa, entre outros – há em todas as escolas uma minoria de bons e de excelentes alunos que, por mais que se esforcem, não conseguem obter, nesta disciplina, o mesmo nível de classificações que alcançam nas outras, ditas “de estudo”. Ou seja, há estudantes que se candidatam a certos cursos superiores, como Medicina ou algumas Engenharias, que não conseguiriam vaga se a nota de EF, que lhes desce a média, fosse considerada.

Numa matéria onde o consenso é quase impossível, o Conselho de Escolas tem defendido uma posição salomónica: que a nota de EF conte para a média do secundário, mas não para o acesso ao ensino superior. Uma proposta razoável, mas que remete para um velho problema do nosso sistema de ensino, aparentemente sem solução: não há meio de encontrarmos uma forma de separar a conclusão do secundário do sistema de acesso ao ensino superior.

Contudo, a solução, mais tarde ou mais cedo, terá de ser encontrada dessa forma. Sendo consensuais os benefícios para os alunos da actividade física e da disciplina que a promove, e que por esse motivo existe, de forma continuada, em todos os anos de escolaridade, então não faz sentido retirar-lhe peso ou dignidade na avaliação. Agora decidir se a nota é relevante para entrar em determinado curso superior, essa deveria ser uma responsabilidade a assumir pelas universidades.

Valorizar ou não determinadas disciplinas, considerar ou não, e com que peso, as notas do ensino secundário – sabendo que muitas delas, sobretudo nalguns colégios, são altamente inflacionadas -, determinar até que ponto é que os exames do secundário – feitos em função dos programas em vigor neste nível de ensino – sinalizam objectivamente os candidatos mais bem preparados para qualquer curso do ensino superior: estas são questões que deveriam merecer amplo debate nacional, envolvendo nomeadamente, além dos especialistas e dos “investigadores” do costume, alunos, pais e professores do secundário e do superior. Pois é desta discussão que pode nascer alguma luz sobre um futuro modelo, mais justo e equitativo, de acesso ao ensino superior.

Colaborações: ComRegras

No Topo: O inquérito nacional aos professores

É sabido que a classe docente está desgastada, descrente e envelhecida, sofrendo as consequências de uma política de desinvestimento público no sector da Educação que os anos da austeridade acentuaram. Uma parte significativa dos professores portugueses não estão bem de saúde – suspeita-se de números alarmantes ao nível de baixas médicas – e a falta de melhores perspectivas para a profissão só tenderá a agravar os problemas actuais…

topo-e-fundo_ComRegras

No Fundo: O agravamento das desigualdades na educação

Há uma realidade indesmentível que diversos estudos e estatísticas que vão sendo publicados continuam a sublinhar: a organização do nosso sistema educativo está a contribuir para o aumento das desigualdades…