Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 Novos computadores começam a chegar

Foi uma das promessas dos tempos do confinamento, quando se evidenciaram as enormes desigualdades entre os alunos no acesso às tecnologias: no ano lectivo seguinte, haveria distribuição de computadores e ligações à internet para todos os alunos, de forma a que, num novo quadro de ensino à distância, ninguém ficasse privado do acesso à educação…

 Aulas dois-em-um

Com o número crescente de alunos em isolamento ou quarentena, algumas escolas estão a enveredar por uma modalidade sui generis de ensino semi-presencial: enquanto parte da turma está presente na escola, os restantes acompanham em casa, pelo computador, as aulas presenciais…

 Aumentam os casos de covid-19 nas escolas

Poderá não ser o “aumento galopante” de que falava alguma imprensa, mas o número crescente de casos positivos à covid-19 entre as comunidades escolares é uma realidade incontornável. A Fenprof, na sua lista em actualização permanente, enumera já mais de 900 escolas com casos activos. Mas o secretário de Estado da Saúde que admitiu, em conferência de imprensa, a existência de surtos em 477 escolas, foi desmentido pelos serviços do seu próprio ministério, que reduziram o número para apenas 68, a maioria na região de Lisboa. Em que ficamos então?..

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 Irresponsabilidades

Numa semana sem grandes novidades, continuaram a ser notícia os comportamentos irresponsáveis que, na escola e na sociedade, comprometem a luta contra a pandemia. Depois de uma primeira onda que o país enfrentou com relativo sucesso, em grande parte pela capacidade de antecipação e pela forma como toda a sociedade acatou as regras de distanciamento e protecção que foram sendo impostas, temos agora uma segunda fase que se está a revelar especialmente desastrosa…

 Um governo que não negoceia

A denúncia, feita pelos sindicatos, já tem meses: prepotente, o ME vem ignorando sucessivos pedidos para reuniões com os representantes dos professores, que pretendem discutir com a tutela, de viva voz, os principais problemas e reivindicações da classe. Há um evidente défice democrático nesta atitude do ministério: sempre pronto a dar lições de democracia e de cidadania, mas com evidentes dificuldades em assumir as suas obrigações nesta matéria…

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 A plataforma da covid-19

Apesar de frequentemente reclamarem contra a multiplicação de plataformas e o controlo excessivo e por vezes obsessivo que o ME exerce sobre as escolas, os directores parecem ter acolhido bem a nova plataforma – mais uma! – destinada a monitorizar os casos de covid-19 que diariamente vão surgindo. Partindo-se do princípio de que, com mais e melhor informação, se tomam melhores decisões, só teremos que enaltecer a iniciativa…

 Mais alunos e turmas confinados

Sendo a discussão sobre a maior ou menor segurança dos espaços escolares geralmente inconclusiva – é verdade que não há evidências de grandes surtos em meio escolar, mas também é certo que não se fazem testes nem rastreios em quantidade e com a abrangência suficiente para documentar esta realidade – há um facto que é indesmentível: há um número crescente de casos positivos entre alunos, levando ao confinamento parcial ou total das respectivas turmas…

 As fragilidades do ensino online

À medida que algumas turmas foram mandadas para casa, os seus professores depararam-se com uma realidade que tão bem conheceram: alunos sem computador, a visualizar aulas e a tentar trabalhar nos telemóveis; outros sem internet, ou com ligações intermitentes e soluçantes. Estudantes aplicados e participativos que enfrentaram positivamente as contrariedades, a par de outros que rapidamente desligaram da escola.

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 A escola portuguesa não é racista

Algumas escolas e faculdades da capital apareceram ontem com pichagens racistas e xenófobas nas paredes exteriores. Já não é a primeira vez que tal sucede, mas as mensagens provocatórias, para além do natural repúdio que provocam em qualquer cidadão bem formado, tendem a levantar a velha e incómoda questão: Portugal é um país racista?…

 Educação, ordem para cortar

Não têm faltado, nos últimos tempos, as promessas de que muita coisa irá melhorar no mundo da educação: computadores para todos os alunos, mais funcionários nas escolas, melhores condições de trabalho e acesso à profissão para os professores mais jovens e, para os mais idosos e desgastados, a possibilidade de acesso à pré-reforma em condições vantajosas…

 Escolas mais inseguras

As escolas são, em termos de possibilidades de contágio pela covid-19, lugares seguros. Dizem-nos, e fazemos por acreditar. Também é verdade que a experiência do confinamento demonstrou que o ensino à distância não é resposta satisfatória para a generalidade dos alunos, aumentando a desigualdade no acesso à educação e empobrecendo as aprendizagens, pelo que confinar de novo será sempre opção de último recurso…

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 Regresso da greve ao sobretrabalho

Pelo terceiro ano consecutivo, a Fenprof convocou greve ao sobretrabalho docente: a todas as tarefas, geralmente não lectivas, com que as escolas entendem sobrecarregar os professores, sem qualquer compensação e indo muito além do que se encontra definido nos horários semanais. Na prática, trata-se de impor a prestação de trabalho extraordinário, não reconhecido nem remunerado como tal…

 Falta de professores em discussão no Parlamento

As dificuldades crescentes na colocação de professores que se têm vindo a sentir um pouco por todo o país, mas com especial incidência na Grande Lisboa, Alentejo e Algarve, dominaram a discussão parlamentar sobre Educação. A verdade, como os responsáveis ministeriais acabaram, a contragosto, por reconhecer, é que a profissão docente tem vindo a deixar de ser atractiva, tanto em termos de realização pessoal como a nível remuneratório…

 Regras anti-covid são opcionais?

Em paralelo com a política de encobrimento do impacto que a pandemia está a ter nas escolas, há também quem considere as actuais medidas de protecção contra a covid-19 excessivas e traumatizantes para os alunos. Como sucedeu numa escola de Sintra, onde um pai conseguiu obter provimento de uma providência cautelar que dispensa o filho, de sete anos, de se distanciar dos colegas e de desinfectar as mãos com álcool-gel…

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 Covid nas escolas: situação continua descontrolada

Números oficiais divulgados esta semana dão conta do elevado aumento dos novos casos de covid-19 entre crianças e jovens desde meados de Setembro – ou seja, desde o reinício das aulas. Os valores em causa, superiores a 50% tanto na faixa etária até aos 9 como na dos 10-19, não podem ser mera coincidência. Mas também não se podem associar de forma automática aos espaços escolares, pois reflectirão igualmente a intensificação de contactos sociais fora da escola e os ajuntamentos junto às entradas ou nos transportes escolares…

 OE para a Educação sob o signo da poupança

Ainda não é em 2021 que iremos ter um Orçamento que, no sector da Educação, possa dar respostas aos problemas de resolução eternamente adiada. Apesar de algum reforço de verbas, quase todas provenientes de fundos comunitários, para a transição digital, a formação de professores e as intermináveis obras de remoção do amianto, a proposta orçamental aprovada em Conselho de Ministros não dá resposta às necessidades estruturais do sistema educativo: o envelhecimento da classe docente e as crescentes dificuldades de recrutamento de jovens professores, o modelo centralista e burocrático de gestão escolar, a falta de auxiliares e técnicos especializados nas escolas, a municipalização feita em cima do joelho…

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 Pais e professores: a pandemia aproximou-os

Entre as conclusões de um estudo da Universidade Católica sobre a escola em tempo de pandemia, há uma que a imprensa justamente destacou: apesar das dificuldades e das limitações daquilo a que apropriadamente se chamou ensino remoto de emergência há, da parte das famílias, uma unanimidade quase geral no reconhecimento e valorização do trabalho dos professores durante o confinamento…

 Vem aí a pré-reforma para professores

A promessa já é antiga, mas dizem-nos que desta é para valer: o Governo pretende consagrar no Orçamento de Estado a pré-reforma, a partir dos 55 anos, para professores do básico e do secundário. E espera financiar a medida com uma parte das verbas que, a pretexto da transição digital, poderão financiar a renovação dos quadros de pessoal docente…

 Covid nas escolas: situação (des)controlada

A pandemia alastra pelo país, com um aumento diário de novos casos. E, ao contrário do que sucedeu na primeira vaga, agora parece não haver estratégia clara para controlar a situação. O governo, os empresários e todos aqueles que dependem de actividades impossíveis de desenvolver remotamente não querem ouvir falar de novos confinamentos. Mas faltam medidas eficazes para enfrentar o novo surto pandémico…

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 Escola presencial em tempo de pandemia

Retomadas as aulas presenciais, não se confirmam para já os prognósticos mais pessimistas dos que previam, a breve trecho, um novo confinamento. São aborrecidas e limitativas as máscaras e demais restrições com que alunos e professores se confrontam quotidianamente, mas que todos entendem como males necessários. Contudo, a situação continua preocupante…

 Reservas de recrutamento quase esgotadas

A situação não é nova, mas está a acontecer este ano com uma rapidez avassaladora, pois há um número maior de baixas e pedidos de substituição de professores. A este ritmo, os professores disponíveis em vários grupos de recrutamento deverão ficar todos colocados nas próximas semanas, esgotando as respectivas reservas. Nas zonas pedagógicas onde as dificuldades de contratação são maiores – Grande Lisboa e Algarve – será já virtualmente impossível, a partir de agora, encontrar docentes disponíveis a não ser através de ofertas de escola…

 Campanha contra a escola pública

Orquestrados a partir de uma reportagem do JN que dava conta de uma suposta avalanche de inscrições em colégios, diversos comentadores foram discorrendo sobre a alegada má experiência vivida pelos alunos das escolas públicas durante o confinamento. Enquanto, nos colégios de elite, tudo teria corrido às mil maravilhas…

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 A teoria da bolha

A ideia foi apresentada como um verdadeiro ovo de Colombo: a chave para uma reabertura segura do ano lectivo passaria pela separação física entre turmas, formando cada uma formasse uma espécie de bolha e limitando assim a propagação da pandemia no meio escolar. Perante a impossibilidade prática de isolar cada um dos alunos, ou de cumprir distanciamentos nas salas de aula, optou-se pela solução que implica, caso apareça um caso positivo, a mandar a turma inteira para casa. Mas as restantes podem continuar a ter aulas…

 O paradoxo dos professores de risco

Mais do que para os alunos, o regresso às aulas em tempo de pandemia representa um risco significativo para muitos professores. Uma percentagem significativa de docentes integra grupos de risco, por serem diabéticos, sofrerem de patologias oncológicas ou respiratórias ou terem, por estas e outras razões, o sistema imunitário enfraquecido…

 Uma carga de trabalhos

Com o recrudescer da pandemia, surgem as primeiras baixas nas escolas: alunos em casa, infectados ou em isolamento por terem tido contacto com familiares, colegas ou amigos portadores do vírus. Mas como – já se percebeu – a regra é resistir ao máximo à tentação de mandar toda a gente para casa, as aulas presenciais continuam a funcionar. No entanto, os professores vão sendo pressionados para, ao mesmo tempo que asseguram integralmente o seu horário lectivo, elaborarem e acompanharem planos de trabalho destinados aos alunos em confinamento…

 A lei da rolha

Uma tendência preocupante que se desenhou esta semana e a comunicação social mais atenta não deixou de noticiar: o governo recusa-se a divulgar dados acerca do número de escolas e turmas que não estão a ter aulas devido à pandemia e quantos alunos, professores e funcionários se encontram infectados. Estes casos existem, pois todos os dias são noticiados pela comunicação social. E custa a crer que o ME, que monitoriza tudo o que se passa nas escolas, não esteja também a compilar estes dados. Que, contudo, não são divulgados…

Colaborações: ComRegras – Avaliação da Semana

 Regresso às aulas em tempo de pandemia

A necessidade de reabrir as escolas tem sido consensual. Desejada por pais, que percebem agora, melhor do que nunca, as vantagens da escola presencial; por alunos, ansiosos de reencontrar os colegas e retomar o convívio e a aprendizagem em grupo que só a escola proporciona; por governantes e empresários, que querem os pais a trabalhar e não a tomar conta dos filhos em casa; por professores, conscientes das desvantagens e limitações do ensino online.

No entanto, bastaram dois ou três dias de escola presencial – na maior parte dos casos ainda sem aulas a sério, mas apenas as habituais recepções e apresentações – para se começarem já a perceber as deficiências e os riscos do modelo de desconfinamento que foi adoptado na reabertura da escola presencial…