Abaixo-assinado em defesa de concursos justos

A medida pode parecer de curto alcance e ineficaz, em vésperas de uma greve, com o mesmo motivo, já convocada pelo STOP. Mas é a diferença entre avançar gradualmente e em convergência com outros sindicatos – em prol de uma união que sempre foi exigida pelos professores – ou tomar desde já uma posição de força que, aparentemente, é igualmente desejada por um número significativo de docentes.

Por aqui, segue-se a linha pluralista de divulgar todas as iniciativas, na perspectiva, nem sempre bem compreendida, de que as lutas se somem e amplifiquem, não se anulem nem descambem no aprofundamento de divergências e divisões. Como infelizmente já vai sucedendo por outras bandas. Ainda o ME não disparou senão tiros de pólvora seca e já os professores andam a fazer pontaria uns aos outros e aos seus sindicatos…

Estando as negociações suspensas pelo ME, Mário Nogueira, Secretário-geral da FENPROF, explica que este é o tempo de os professores demonstrarem ao Ministério da Educação que estão contra as medidas que este apresentou aos sindicatos nas reuniões de negociação.

Assim, vão realizar-se vigílias de professores em todo o país na semana de 12 a 15 de dezembro, onde serão aprovadas moções a enviar ao ME, ao mesmo tempo que vai começar a circular nas escolas um abaixo-assinado para ser entregue na próxima reunião de negociação, prevista para 2023.

Assina aqui o abaixo-assinado online “Por um regime justo de concursos! Pela valorização da profissão docente!” promovido por ASPL, FENPROF, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE e SPLIU.

4 thoughts on “Abaixo-assinado em defesa de concursos justos

  1. Como é hábito, o António tem muita razão e eu saúdo o seu pluralismo, naturalmente, mas convém lembrar aos mais esquecidos que se muitos professores estão revoltados com a maioria dos seus (?) sindicatos (e ainda bem), tal não acontece por birra profissional nem por partidarite nenhuma. É exactamente por exigirem sindicatos que os representem e os defendam que grassa a actual justíssima indignação. Face ao autêntico golpe de estado palaciano em curso ali na 24/Julho, as lutazinhas a fingir que não fazem mossa nenhuma (nem pretendem) não fazem o mínimo sentido. Nesse peditório o pessoal já deu demasiadas vezes.

    Liked by 2 people

  2. Hoje na minha escola quando estavamos a combinar a greve, surge o discurso de uma colega:
    – S.TO.P não é credível, cuspiram colegas em vigilância ao recreio. As faltas injustificadas serão muitas. O STOP é apenas um grupelho que saiu da fenprof, etc. (o recado veio claramente de sindicatos da FNE)

    Liked by 1 person

  3. Os ataques descabelados ao STOP não são de agora. São desde que ele nasceu e coordenou a maior greve de sempre, desde que decidiu denunciar o amianto (do qual a FNE e sus muchachos nunca fizeran caso), etc, etc. Então como agora, há uns caramelos a agitar o espantalho absurdo das faltas injustificadas. São uns ressaibiados… não me ocorre outra coisa. Aliás, o próprio dinossauro ele mesmo garantia-me a mim com plena convição que o STOP era ilegal. Mal aventurados os pobres de espírito, pois deles é o reino das trevas.

    Liked by 1 person

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.