O mundo das explicações

© André Carrilho

Assim que arrancam as aulas e as famílias recebem os horários dos seus educandos, os telefones dos explicadores particulares, centros de explicações, centros de estudos, e afins, não param de tocar.

Conciliar a vida profissional dos pais, os horários das crianças e jovens, com as explicações e as atividades extracurriculares não é tarefa fácil. A azáfama é grande e muitos pais só relaxam quando conseguem ter garantido o suporte necessário para levar a bom porto o novo ano letivo que agora começa. Sendo Portugal um dos países em que ambos os progenitores trabalham fora e em que a velha rede, os avós, está cada vez mais indisponível pelo facto trabalharem até idade mais avançada, a gestão familiar não podia ser bem conseguida sem este sistema paralelo de apoio à educação.

Esta rede de suporte privada faz a ponte de ligação ao sistema formal de educação, pois como os horários de saída das escolas não são coincidentes com os horários de trabalho dos pais, muitas famílias encontram nos centros de estudos o local ideal para deixarem as suas crianças e jovens. Além de os irem buscar à escolas, também os ajudam nos TPC – tarefas que tantas vezes geram conflitos à hora do jantar -, nas matérias mais difíceis e providenciam explicadores, em grupo ou em aulas individuais. Há quem defenda que este mercado cresce à custa da “angústia” dos pais em conseguir conciliar as suas stressantes vidas profissionais, as ocupadas agendas dos filhos e o sucesso escolar que tanto ambicionam para os seus rebentos.

Acrescente-se aos factores que favorecem o crescimento deste mercado educativo, porque a notícia não o faz, as dificuldades de acesso à profissão a que são condenados os professores mais jovens, que encontram nos centros de explicações a alternativa de emprego que o ME não lhes proporciona nas escolas públicas.

O DN tenta lançar luz sobre um submundo que, apesar de presente no quotidiano de muitas famílias que recorrem a explicadores particulares, ATLs e centros de explicações para assegurar o acompanhamento extra-escolar dos filhos, estamos longe de conhecer na sua real dimensão. Por exemplo, ninguém poderá assegurar a exactidão das estimativas que apontam para cerca de 250 mil alunos a terem algum apoio deste tipo. Desde logo pela simples razão de que a maior parte dos explicadores o farão a título particular, sem passarem recibos nem declararem o exercício da actividade.

Entre os depoimentos, há duas ideias que cumpre destacar. Primeiro, a dimensão do fenómeno das explicações atesta as profundas desigualdades e insuficiências do nosso sistema educativo público, resultado de décadas de desinvestimento. Que funciona razoavelmente bem com alunos motivados, organizados e progressivamente autónomos e responsáveis pela sua própria aprendizagem. Mas falha estrondosamente na missão, não menos importante, de apoiar os alunos com mais dificuldades, mobilizando os recursos necessários para que estes consigam ter algo mais do que um sucesso académico fictício. Aqui, as explicações podem fazer a diferença entre um aluno que recupera e segue o seu caminho e outro cujo percurso escolar vai ficando irremediavelmente para trás. Ou entre o que consegue a entrada num curso superior do seu agrado e o que se vê obrigado a desistir precocemente dos seus sonhos e objectivos.

Em segundo lugar, a elevada procura de explicações reflecte um ensino secundário demasiado orientado para a realização de exames e, pior, onde estas provas se tornam determinantes no acesso ao ensino superior, sobretudo nos cursos mais pretendidos. Um sistema de ingresso organizado pelas universidades aliviaria esta pressão excessiva que recai sobre os alunos do secundário.

Subjacente a tudo isto, há um paradoxo de que pouco se fala, mas se torna cada vez mais pertinente: como se explica a melhoria consistente nos resultados educativos, atestadas por sucessivos testes internacionais, num país que tem feito investimentos modestos na Educação, onde as políticas educativas têm sido erráticas, contraditórias e mesmo os consensos políticos, quando existem, se formam em sentido contrário às necessidades sentidas nas escolas, pelos alunos e os professores no terreno? A meu ver, dois factores têm contribuído para este moderado sucesso da escola e dos alunos portugueses. Um deles são as muito diabolizadas retenções, que foram permitindo que um sistema de fracos recursos, mas constantemente pressionado para o sucesso, não baixasse demasiado a fasquia educativa. Outro é, claramente, o mercado das explicações, presente em praticamente todo o país, com oferta adaptada aos diferentes públicos, incluindo famílias de modestos recursos, e capaz de cobrir uma parte significativa das carências da escola pública – e de muitas privadas também.

One thought on “O mundo das explicações

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.