A importância da educação ambiental

Jorge Paiva, um dos mais conhecidos e talvez o decano dos biólogos portugueses ainda em actividade, fala sobre a importância da educação ambiental. Em entrevista ao Sinal Aberto, confessa alguma desilusão por não sentir ainda, ao fim de uma vida inteira dedicada ao estudo e à preservação das espécies, a consciência ambiental necessária para obviar à extinção das espécies, às alterações climáticas e a outras mudanças que estão a destruir o mundo que iremos legar às próximas gerações.

A verdade é que, embora as questões ambientais tenham ganho peso nos currículos e nas práticas escolares, há ainda uma distância demasiado grande entre o que se diz, escreve e ensina e o que efectivamente se interioriza e põe em prática.

Com a lucidez e assertividade que lhe conhecemos, Jorge Paiva denuncia a sociedade consumista como o principal obstáculo a uma efectiva mudança de políticas e práticas do quotidiano, de modo a tornar sustentável o futuro do planeta. Na hora da verdade, os critérios que impõem o lucro a curto prazo tendem sempre a levar a melhor sobre as metas ambientais. E muitos dos avanços que se têm feito em relação à sustentabilidade ambiental só se tornam possíveis na medida em que se convertem eles próprios em negócios lucrativos.

Perante a inoperância dos políticos actuais, subordinados à agenda dos grandes interesses económicos, sublinha-se a importância de educar as novas gerações, na esperança de que possam, um dia, fazer a diferença. Nas questões ecológicas e ambientais como em tudo o resto, a escola pode ser um interveniente decisivo. Mas não conseguirá operar sozinha as mudanças que quase todos entendemos como necessárias. Sem as necessárias reformas económicas e políticas, as “mudanças de mentalidade” serão incapazes de, só por si, transformar a sociedade.

Ficam alguns excertos da entrevista e a habitual sugestão de leitura, aos interessados, do texto integral.

Eu não acredito em nenhuma das atitudes que os políticos têm tido, desde há mais de trinta anos, reunindo-se internacionalmente e resolvendo que vão actuar. Porém, na reunião seguinte, chegam à conclusão de que não fizeram nada. De maneira que andamos nisto, porque os políticos mundiais ainda não se consciencializaram, não têm consciência da realidade. É por isso que eu insisto na educação ambiental, sobretudo nas escolas. Mas, neste momento, estou desiludido porque, quando esses jovens chegam a adultos, a sociedade consumista já os tem manipulados. Até agora, praticamente, ainda não se fez nada de concreto. Ao menos, tomem uma atitude mais frontal, como o fez Donald Trump, declarando que não queria colaborar. Dizer que colaboram e, depois, não fazerem nada é uma farsa!

Há algum tempo, em conversa com uma professora e minha antiga aluna, observei que, ao estar no limiar da vida ou quando se chega ao fim, qualquer pessoa pensa se fez alguma coisa com utilidade. E eu tenho uma desilusão brutal! Pelo facto de ter feito mais de 2500 palestras em escolas, incentivando os alunos, os quais percebem o que está a acontecer, mas quando são adultos, a ocuparem determinados cargos, vejo que esqueceram tudo! Foram todos manipulados por esta sociedade consumista.

No geral, é assim. Não há educação ambiental em Portugal. Conheço países que investem nesta área. A geração jovem tem um bocadinho mais de consciência, mas ainda não é o suficiente.

Eu não gosto de “show off”. Por exemplo, houve aqui, num sábado, uma manifestação de apoio à menina Greta [Thunberg] a que eu não fui. Na segunda-feira imediata a essa manifestação, decorreu o cortejo da Latada, em Coimbra, de que resultaram 40 toneladas de lixo. E muitos desses jovens tinham estado a manifestar-se a favor do clima. Isto é “show off”. Eu não trabalho em “show off”!

One thought on “A importância da educação ambiental

  1. A Educação ambiental existe nos programas de Ciências Naturais, 3º ciclo, e de Biologia e Geologia, 10º/11º anos, desde 2001. Foi especificada com as metas (objetivos curriculares mínimos claros e mensuráveis), em 2013, que orientou a elaboração dos manuais no sentido do desenvolvimento da literacia científica e a Educação para a cidadania, com destaque para a Educação ambiental para a sustentabilidade.

    Com as Aprendizagens Essenciais, objetivos ambíguos que por englobarem inúmeras metas orientam para a dispersão, desapareceu tudo sobre sustentabilidade que incomoda o poder político: Impacto negativo da atividade humana no ambiente e saúde das populações humanas e de outros seres vivos.

    O pior está para vir- os manuais em adoção do Grupo Porto Editora, acentuaram estes cortes- Eliminaram dos manuais os danos causados por barragens (com foco na erosão de praias e avanço de mar), desflorestação, incêndios, minas, pedreiras, resíduos urbanos e industriais, exploração de recursos nos mares dos Açores, drenagens de pecuárias e agricultura intensiva, construção em zonas de risco geológico, e muito mais.

    Ficaram somente as que orientam para a necessidade de reconstruir para remover o amianto ou isolar o radão. Também deixam a ideia de que as raízes das árvores são nefastas porque provocam a meteorização das rochas- passeios.

    As abordagens de ensino/aprendizagem deixaram de ser integradas e globais como orientam os programas disciplinares, de 2001, passando à biologia e geologia descritiva, com pormenores não estruturantes (Ex: chaves dicotómicas para rochas- séc XIX ou morfologia sistemas digestivos e outros de diversos animais…) marcados pelos programas com “A evitar”.

    Como se não bastasse, eliminaram também as atividades que desenvolvem o pensamento analítico, crítico e criativo (metacognição), quando devidamente dirigido pelo professor, interagindo com todos os alunos, em grupo-turma, envolvendo-os a todos nas tarefas de aprendizagem- “Instrução Direta”. O método da “Instrução Direta” é segundo a OCDE e muitos outros estudos sobre eficácia no ensino o que mais melhora os resultados de aprendizagem- conhecimentos, capacidades e atitudes.

    Os manuais do Grupo Porto Editora, usam as práticas da “Escola da Ponte” e da “Aula invertida” no extremo oposto da “Aula Expositiva” e muito afastados das abordagens moderadas e diversificadas da “Instrução Direta” – os alunos aprendem sozinhos/grupo a pesquisar, a ver vídeos, tutoriais, a fazer Quizzes, a discutir e consensualizar respostas em grupo- o professor só apoia. Fazem muitas cópias, resumos, reflexões e apresentações.

    Os autores do manual da Areal Editora, do Grupo Porto Editora, do manual em adoção, em 2021, que cortou tudo o que denuncia más práticas em gestão ambiental, saúde e segurança pública, são os mesmos, da edição de 2014. Ariana Cosme, protagonista das mudanças na educação em Portugal do “Governo Geringonça” e atual orienta o Grupo Porto Editora.

    Valham os manuais do Grupo Leya, com destaque positivo para a Texto Editora, em educação ambiental, mas sobretudo em educação para a literacia científica, necessária à cidadania participada e à mobilidade social (aumento da produtividade/inclusão e coesão sociais). A Santillana Editora, com manuais eficazes no desenvolvimento da literacia científica e da Educação para a cidadania não avançou com novas edições em 2021. Porque será?

    O “Governo Geringonça” e o atual dizem promover a literacia científica e a Educação para a cidadania que inclui a Educação ambiental, mas na verdade estão a fazer tudo para a desfazer.

    Porque será?
    Os resultados TIMMS, dos alunos de 4º ano, de 2019 desceram, os lugares das escolas públicas em 2020 também.

    Porque será?

    Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.