“Não matem a História”

maria-jose-gonc.pngEstive ausente do ensino 15 meses. Regressei à escola e constatei muitas mudanças — para pior. A mais dolorosa, a mais preocupante, é a mudança ocorrida com a minha disciplina, História, que viu reduzida a sua carga horária semanal nos 8.º e 9.º anos de escolaridade.

Em 2017, a disciplina de História era leccionada em dois tempos semanais (90+ 45 minutos). Porém, partir de 2018, passou a ser leccionada em dois tempos lectivos de 45 minutos, no 8.º ano, acontecendo o mesmo, a partir deste ano lectivo, no 9.º ano. Não quero acreditar.

Vou ter que ensinar História “a correr” e História ensinada “a correr” corre o risco de morrer. A incoerência entre a acção e o discurso político neste assunto é manifesta. […]

Neste novo ano lectivo, na minha escola e na maioria das escolas portuguesas, a disciplina de História vê reduzida em um terço a sua carga horária curricular semanal. Sem tempo, a aula de História converte-se provavelmente num monólogo. Pelo que as consequências pedagógicas deste novo espartilhar da disciplina de História entra em clara contradição com o que se encontra plasmado no próprio decreto-lei da Flexibilidade Curricular, que prevê a implementação de metodologias de trabalho que permitam, entre outras, a promoção de capacidades de pesquisa, de relação e de análise, assim como o domínio de técnicas de exposição e de argumentação.

Quando assistimos aos avanços dos populismos, das fake news, do revisionismo dos factos históricos, e quando continuamos a ter baixíssimos níveis de participação cívica, não é sensato diminuir o peso de uma disciplina que tem um papel indiscutível na compreensão do mundo em que vivemos.

Se não querem “um povo sem memória” e “um país doente”, façam qualquer coisa. Não matem a História.

Infelizmente, houve demasiada gente que, não “tendo estado ausente do ensino” durante os últimos tempos, teve muitas oportunidades de se aperceber das consequências desastrosas que a chamada flexibilidade curricular iria ter para algumas disciplinas. Entre elas, a História.

Claro que, e esse é porventura o aspecto mais revoltante neste processo, ao mesmo tempo que aprovavam matrizes curriculares que ditavam a diminuição da carga horária da disciplina, os responsáveis ministeriais iam cinicamente reafirmando a importância da História e fazendo apelos a que as escolas não lhe retirassem peso curricular. Mas a verdade é que a introdução das disciplinas de TIC e Cidadania e Desenvolvimento em todos os anos do 2.º e do 3.º ciclo, sem aumentar a carga horária global, só poderia fazer-se retirando tempo nalgum lado. E, com mais ou menos “autonomia das escolas”, o decreto-lei 55/2018 é claro na forma como sugere a sua redistribuição:

csh

A verdade é dura e incómoda: efectivamente, ao poder instituído não interessa a valorização  da História, uma disciplina que estimula o pensamento crítico e ensina os alunos a compreender o mundo em que vivemos. Conhecimento estruturado e cientificamente fundamentado sobre a economia, a sociedade, a cultura e a política ao longo dos tempos é, aparentemente, um perigo, numa época em que se favorece o “conhecimento na palma da mão” fornecido pelo dr. Google, as campanhas de desinformação e propaganda que vão regularmente varrendo os media e as redes sociais, as modas politicamente correctas em abordagem light nas “aulas de cidadania”.

O apelo da colega Maria José Gonçalves sugere que não terá perdido a esperança de que os governantes “façam qualquer coisa”. Pela minha parte, e ao fim de dois anos a alertar para o que aí vinha, percebo bem a intencionalidade deste ataque curricular às artes e às humanidades em geral e à História em particular. Perante isto, só uma forte pressão dos pública poderá forçar o poder político a fazer alguma coisa. Cabe a todos nós, professores e cidadãos, agir…

3 thoughts on ““Não matem a História”

  1. A propósito de “Não matem a História”, convém relembrar dois atentados ocorridos em 11 de Setembro no continente americano. O golpe de estado no Chile, a 11 de Setembro de 1973, que trouxe Pinochet e a ditadura militar ao Chile e os atentados aéreos à Torres Gémeas nos Estados Unidos da América, em 2001, que mobilizaram o combate ao terrorismo, com a invasão do Iraque.
    O saldo de mortos, segundo estimativas, foi de cerca de dez mil pessoas no Chile e de quase três mil pessoas nos Estados Unidos.

    Gostar

  2. A disciplina de Cidadania seria perfeitamente dispensável se História, Geografia, Filosofia e Literatura fossem devidamente consideradas. Elas têm tudo o que importa para estimular o desenvolvimento do sentido crítico e para a formação de um ser humano que saiba reflectir sobre si próprio e sobre o mundo que o rodeia.

    Gostar

    • Inteiramente de acordo.
      Mas nessas disciplinas há um programa a cumprir e uma base de conhecimento sólido e estruturado sobre a qual trabalhar.
      Não dá muito jeito quando o que se pretende é introduzir discursos ideologicamente orientados em torno dos temas da agenda educativa imposta à escala global. As múltiplas literacias, os empreendedorismos, as educações financeiras, os riscos da internet…

      Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.