Demitida

Edviges FerreiraA partir do momento em que fossem confirmados todos os factos de que era acusada, relacionados com a divulgação antecipada de conteúdos de uma prova de exame de Português, dificilmente a pena poderia passar por outra coisa que não o afastamento definitivo do ensino público.

Embora tenha defendido, desde que o caso se tornou público, o apuramento de responsabilidades até às últimas consequências, não posso dizer que me congratulo com este desfecho. Preferiria, por certo, que eventos desta natureza não manchassem a reputação de uma das profissões em que, a acreditar nas sondagens que regularmente se vão fazendo, os portugueses mais confiam.

Mas também me parece que quem aceita assumir cargos de especial responsabilidade – a professora Edviges Ferreira era, quando ocorreram os factos, a presidente da Associação de Professores de Português – tem de ter, do ponto de vista ético e deontológico, um comportamento exemplar. Embora reconheça que a escassa representatividade das associações disciplinares de professores favorece algum alpinismo social e profissional que não prestigia a profissão.

A ex-presidente da Associação de Professores de Português, Edviges Ferreira, está impedida de voltar a dar aulas por ter sido comprovado que foi ela a autora da fuga de conteúdos do exame de Português do 12.º ano, realizado a 19 de Junho de 2017.

A informação foi revelada nesta quarta-feira pelo Ministério da Educação (ME). Numa nota à comunicação social, o ME informa que “foi determinada a sanção disciplinar de demissão” à referida docente, que era professora da Escola Secundária Rainha D. Leonor, em Lisboa.

Na mesma nota, o ME dá conta de que “todas as infracções constantes da acusação” contra Edviges Ferreira “foram consideradas provadas” no âmbito do inquérito disciplinar levado a cabo pela Inspecção-Geral de Educação e Ciência. E que, por isso, se concluiu que “a docente terá agido de forma consciente e intencional, desrespeitando gravemente os seus deveres funcionais e o interesse público”.

Devido ao mesmo caso, Edviges Ferreira foi constituída arguida pelo Ministério Público em Maio de 2018. Numa nota publicada então no seu site, a Procuradoria-Geral da República informou que estava em causa a “prática de um crime de violação de segredo por funcionário e de um crime de abuso de poder”.

One thought on “Demitida

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.