Parlamento açoriano vota contra recuperação parcial do tempo de serviço docente

acores-parlamento.pngTal como tinha sucedido na Madeira, também a Assembleia Legislativa dos Açores deu parecer negativo ao decreto-lei que estabelece a recuperação de apenas 2 anos, 9 meses e 18 dias de serviço docente, menos de um terço dos quase dez anos de congelamento da carreira dos professores.

Significativamente, o PS regional, que tem maioria absoluta no Parlamento açoriano e poderia, assim, forçar a aprovação do diploma, não se quis solidarizar nesta matéria com o governo nacional. Mas também não votou ao lado das restantes bancadas, optando em vez disso pela sempre cómoda abstenção.

Resultados práticos destas consultas? Nenhuns, a não ser terem ajudado a empurrar a publicação de um diploma polémico para depois da aprovação do Orçamento. Os pareceres das assembleias regionais são obrigatórios neste tipo de legislação, mas as decisões tomadas não são vinculativas para o Governo.

Resta agora aguardar o envio do diploma para promulgação pelo Presidente da República, que pode ainda exercer o veto político ou enviar ao Tribunal Constitucional. Se for publicado, vários partidos deverão chamar o decreto-lei à apreciação parlamentar.

O parlamento dos Açores deu parecer negativo à proposta de descongelamento da carreira dos professores, apresentada pelo Governo da República, seguindo a mesma posição da Assembleia Legislativa da Madeira, revelou nesta quinta-feira fonte parlamentar.

Apesar de o PS ter maioria absoluta na Assembleia Legislativa dos Açores, foram os votos contra da oposição (PSD, CDS e PPM) que integram a Comissão de Assuntos Sociais, que acabaram por determinar este chumbo, uma vez que os socialistas se abstiveram, alegando que a região “tem competências estatutárias e constitucionalmente consagradas” nesta matéria.

O PS, que sempre disse que se devia aplicar na região a solução que fosse encontrada a nível nacional para o descongelamento da carreira dos professores, não quis, no entanto, assumir um compromisso, a favor ou contra, quanto ao diploma aprovado pelo Governo de António Costa, com vista à recuperação de 2 anos, 9 meses e 18 dias dos nove anos em que o tempo de serviço esteve congelado.

Acabaram por pesar os votos contra dos partidos da oposição, que discordam desta solução nacional e que insistem na recuperação integral do tempo de serviço prestado pelos professores, mesmo que de forma faseada.

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.