Professores “chumbam” a flexibilidade curricular

Certíssima a posição da Fenprof sobre a flexibilidade curricular, tal como Mário Nogueira, ontem, a explicitou:

Se se quer avançar para um processo que exige mais horas de trabalho dos professores, então contratem-se mais professores.

Não é à conta dos que já têm os seus horários sobrecarregados e ilegais que se vem dizer “tem que se fazer mais”.

A “escola do futuro” não é só com os actuais professores que se constrói; é também, e sobretudo, com a geração mais jovem de professores que os governos continuam a não querer colocar nas escolas.

16JunEncNac_AutonFlex.jpgO encontro nacional que ontem decorreu na Escola Secundária do Cerco prestou verdadeiro serviço público, pois cumpriu duas obrigações de que o ME, promotor e entusiasta do projecto, se descartou: começar por ouvir e envolver os professores e, uma vez implementado o projecto-piloto, fazer uma avaliação rigorosa e isenta do seu desenvolvimento, antes de, irresponsavelmente, o pretender generalizar a todas as escolas do país.

Claro que, quando damos a palavra, não aos mentores do projecto da flexibilidade ou aos directores que cederam as suas escolas, alunos e professores para que ele se concretizasse, mas aos próprios professores que tiveram que se desunhar, pondo em prática os lirismos que outros idealizaram, o discurso é muito diferente dos delírios construtivistas da escola “do século XXI” que têm sido propagandeados.

“A voz dos professores está completamente ausente da conceptualização e implementação do projecto de autonomia e flexibilidade curricular”, conclui o estudo da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), apresentado numa sessão na Escola Secundária do Cerco, no Porto.

Agora, ouvindo mais de 400 professores de 54 escolas, de um total de 235 escolas com PAFC, de todo o país, o estudo conclui que a implementação do PAFC foi feita à custa dos professores, trouxe mais burocracia e trabalho não reconhecido e que o programa não é avaliado nem nas próprias escolas, onde foi implementado sem a preparação dos estabelecimentos e dos professores.

O estudo conclui também que os currículos são muitos extensos, os professores estão desmotivados e falta maturidade aos alunos para o desenvolvimento de projectos.

As conclusões do estudo assinalam ainda o “substancial aumento da carga de trabalho para os professores” e o elevado número de alunos por turma.

Os professores ouvidos apontaram igualmente a falta de recursos materiais, a indefinição de objectivos ou a burocratização como aspectos negativos do PAFC, além de também colocar em causa o currículo nacional.

[…]

Questionada pela Lusa, a coordenadora do grupo de trabalho que fez o estudo, a professora Brígida Batista, disse não poder destacar aspectos positivos do PAFC porque “não há condições para o implementar nas escolas”.

“Não se pode mudar o paradigma sem mudar as condições nas próprias escolas”, disse a responsável, acrescentando que o PAFC não trouxe “uma mais-valia em termos de aprendizagem dos alunos”.

O projecto, considerou, “até podia ser interessante” se tivesse sido eficazmente preparado, com turmas pequenas, com bons espaços e boas salas, mas, ao contrário, disse, trouxe “horários sobrecarregados em turmas de 30 alunos”.

Anúncios

2 thoughts on “Professores “chumbam” a flexibilidade curricular

  1. A incapacidade destes governantes e decisores (outros serão “lambe-rabos”) para projectar e prever é uma verdadeira aberração e custa muito dinheiro!
    Quem é que investe num lamborghini se não tem dinheiro para para gasolina e manutenções dispendiosas?
    – Só mesmo os chico-espertos ( é verdade que, por cá, há muitos) que contam sempre (e bem como se vê neste país) que sejam os outros a pagar!

    Quais os custos directos que esta “salsada” já teve? E, quais os indirectos? E, quais os diferidos no tempo ( nomeadamente ao nível da pobreza do conhecimento)? Está tudo bem…que nunca quem decide vai saber… e, muito menos quererá saber – afinal, é sempre tudo um sucesso – que o diga a OCDEzinha que “avaliou com o instrumento da converseta” com quem defende a coisa.

    Que triste fado a miséria de desgoverno.O problema é que PAGAMOS PARA SER MISERÁVEIS.

    Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.