Provas de aferição de 2016 e 2017: relatório & contas

afericao2016e2017.JPGPode ter sido mera casualidade, mas os anos que já levo a acompanhar estas coisas levam-se a desconfiar de certas coincidências. Quando a contestação dos professores sobe de tom, perante a intransigência do governo em reconhecer o seu direito à recuperação do tempo de serviço congelado, eis que é divulgado o relatório dos últimos dois anos de provas de aferição.

Sem surpresas, verifica-se que os alunos portugueses até sabem umas coisas, mas quando têm de fazer um uso mais elaborado dos seus conhecimentos, ou aplicá-los em tarefas práticas, falham frequentemente. A ideia geral é esta; a partir daqui, há duas linhas que a comunicação social e a opinião pública que dela se alimenta são, subliminarmente, convidadas a explorar:

  • Afinal os professores portugueses não são assim tão bons, para andarem a exigir a reposição integral da sua carreira;
  • Estamos mesmo a precisar da flexibilidade curricular e do “conhecimento em acção” que só as dinâmicas educativas “do século XXI”  e da entourage do SE João Costa podem proporcionar.

Curiosamente, numa pequena volta que dei ontem pelo Twitter, a maioria dos que comentavam o assunto não culpavam os professores por alguns alunos não saberem, por exemplo, localizar geograficamente Portugal. Embora dar a conhecer o mundo em que vivemos seja responsabilidade da escola, há muitos conhecimentos que só se consolidam se os miúdos os aplicarem noutros contextos ou virem que são valorizados fora do meio escolar. O que acontece quando os pais se interessam pelas aprendizagens dos filhos e pelo seu desenvolvimento sócio-educativo e têm com eles conversas e experiências cultural e intelectualmente estimulantes. Oferecendo-lhes livros, por exemplo, em vez de se limitarem a dar-lhes telemóveis ou consolas de jogos.

O relatório das provas de aferição de 2016 e 2017 encontra-se disponível no site do IAVE. Ficam alguns destaques

Quase metade dos alunos do 2º ano (46%), que realizaram as provas de aferição em 2017, não conseguiram fazer seis saltos consecutivos, prova prática na área de perícias e manipulações. “Os resultados ilustram a dificuldade”, sublinha o documento do IAVE.

Os números demonstram que as crianças não adquiriram “o padrão motor do salto à corda, coordenando a rotação da corda com os saltos”, lê-se no relatório. “Apenas 54 % completaram o conjunto de saltos sem interrupções”.

Na área de deslocamentos e equilíbrios, onde foram analisadas as ações correr, saltar, equilibrar-se e rolar, o desempenho dos alunos revelou que 40% não conseguiram realizar corretamente uma cambalhota para a frente, mantendo a direção e levantando-se com os pés juntos.

Entre os mais de 90 mil alunos que realizaram as provas de aferição de História e Geografia do 2.º ciclo, no ano passado, 45% não conseguiram localizar Portugal continental em relação ao continente europeu utilizando os pontos colaterais da rosa-dos-ventos. Ou seja: não conseguiram localizar o país no Sudoeste da Europa.

O exemplo da Geografia, acrescenta [Hélder de Sousa], “é transversal” para outras áreas analisadas em que, quando se entra “no processo de interpretação, análise, explicação dos fenómenos”, os resultados pioram. “É aí que normalmente os alunos falham e perdem pontos, com resultados que se vão afastando cada vez mais daquele que é o nível de excelência”, conta.

Por exemplo, na Matemática, os alunos “revelam grandes dificuldades com o conceito da divisão”. As frações, consideradas nucleares para a continuidade da disciplina, são outro calcanhar de Aquiles apontado, quer nos relatórios de 2016 quer nos de 2017. No Português, a interpretação de textos e a capacidade de os redigir corretamente aparecem frequentemente entre os problemas sinalizados.

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.