Manter fora do alcance das crianças

bebe-telemovelPoderia ser um aviso a colocar nos telemóveis e nos tablets que todos os dias são confiados a bebés e crianças pequenas, para que estejam entretidos e não incomodem os pais, ocupados com outras tarefas ou lazeres. Pelo menos de acordo com um estudo britânico recente que vem confirmar o que pediatras e outros especialistas em desenvolvimento infantil há muito recomendavam.

As crianças até aos 3 anos que usam smartphones e tablets dormem menos. Por cada hora de uso, são menos 15 minutos por dia e, apesar de fazerem sestas mais longas, demoram mais tempo a adormecer. Este é o resultado de um primeiro estudo, da Birkbeck, Universidade de Londres, que pretendia avaliar a existência de perturbações do sono nos bebés que usam estes aparelhos.

Apesar de só agora ser conhecido o impacto negativo no sono, dois pediatras portugueses já desaconselhavam o uso destes aparelhos antes dos 3 anos. “Já era conhecido que o uso dos écrans, nomeadamente quando associados a jogos, perturba o sono, porque, uma vez desligados, o cérebro continua ativo. Aconselho, depois de jantar, ler e outras atividades mais relaxantes, nunca écrans”, referiu ao DN Mário Cordeiro.

Também Fátima Pinto – que estudou ainda o impacto dos écrans televisivos no desenvolvimento das crianças – aconselha que pelo menos até aos 2 anos as crianças não usem tablets ou smartphones. “As questões de desenvolvimento relacional e de comunicação ficam prejudicadas quando as crianças são entregues aos écrans”, defende a médica.

Claro que dar ocasionalmente um aparelho destes para a criança se entreter, como antigamente se ligava a televisão à hora dos desenhos animados ou, mais recentemente, se usavam os leitores portáteis de DVDs para distrair os miúdos em longas viagens de carro, não trará problemas. O complicado é quando se começa a fazer disto a rotina, em vez de conversar e interagir com a criança ou de a habituar a manusear brinquedos, material de desenho, blocos de construções ou livros em papel. É a relacionar-se com os outros que se desenvolvem competências sociais; é a mexer e a manipular objectos físicos que se desenvolve a motricidade fina, e não a lambuzar um ecrã colorido e faiscante.

Naturalmente que a internet e os jogos de computador têm coisas boas e não devem ser diabolizados, como referem os especialistas ouvidos para a reportagem do DN. Mas nas idades de que estamos a falar, não será errado acrescentar que, quanto menos internetes, melhor…

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s