Falares alentejanos III

alentejo3.JPGEngadanhar: Enregelar.
Engrolado: Mal cozinhado.
Engrolar: Cozinhar à pressa.
Enlodrar(-se): Sujar(-se) com lama.
Enmachorrado: Diz-se do tempo quente e abafado.
Enrolar o ‘stojo: Morrer.
Entaliscado: Entalado. Pequeno entalão. Entaladela.
Entrás: Cancro.
Entremoçada: Diz-se da batata que, depois de cozida, se estraga.
Entretenga: Entretenimento.
Envenanar: Irritar.
Enxapota:  Ramo de azinheira ou de chaparro.
Enxúndia:  Gordura de galinha.
Enxurro: Entulho resultante duma enxurrada.
Enzuminér: Enganar; ludibriar.
Ervacêdo: Terreno coberto de erva densa.
Ervaçum: Erva densa.
Esbarrondado: Arruinado.
Esbortiédo: Borrado; vomitado.
Escalafrio: Arrepio de frio.
Escaldar: Vender caro.
Escalda-rabos: Susto.
Escalmurra: Calor atmosférico intenso.
Escanchada: Passo largo.
Escanchaperna: Ângulo entre duas pernadas duma árvore.
Escapatório: Razoável.
Escarapão: Variedade de cobra.
Escarapoado: Zangado.
Escaravêlha: Mulher muito trabalhadora.
Escarrapanchado: Montado, com as pernas abertas.
Escoalho: Chocalho.
Escorregar: Dar dinheiro.
Escumêra: Avarento.
Esfomiédo: Avarento.
Esfrunhadôro: Gilbardeira.
Esfrunhér: Limpar a chaminé com gilbardeira.
Esgadanhar: Coçar com intensidade a pele; esforçar-se para atingir um objectivo.
Esgalhar: Partir com grande rapidez.
Esgravulhér: Procurar fundos para atingir as suas metas ou satisfazer as suas necessidades.
Esgumitér: Vomitar.
Esmichéda: Ferida; hematoma.
Espantar-se: Fugir; abandonar.
Esparavela, à: Sem agasalhos.
Esparvêrédo: Esparvoado.
Espassarado: Atordoado.
Esperar o sol: Apanhar sol.
Espinhela: Coluna vertebral.
Espinhela caída: Fraqueza geral no corpo.
Esporêta: Pessoa que se veste com roupas garridas, mal combinadas.
Esporrear: Ostracizar.
Estabanado: Pessoa com atitudes incompreensíveis, social e/ou mentalmente instável.
Estabardulho: Pessoa falsa e sem escrúpulos.
Estalar a castanha na boca: Demonstrar uma convicção.
Estância: Superfície de madeira ou de metal onde se prepara a massa do pedreiro.
Estanhêra: Estante de madeira onde se colocam os pratos.
Estar a pão de trigo: Estar moribundo.
Estaralhôquédo: Com tonturas; nervoso.
Estaverneio: Confusão; desarrumação.
Esterquêra: Lixeira.
Estevêro: Variedade de figo.
Estôraria: Gritaria.
Estorrina do calor: Hora do maior calor
Estrambalhar:  Entornar ou espalhar.
Estrefenefe: Confusão.
Estribar-se: Tirar lucro ou benefício; fugir à responsabilidade.
Estropiadêro: Barulho provocado pela cavalgada duma besta.
Estrumeira:  Lixeira, onde se depositavam todos os resíduos domésticos e profissionais.
Esvécer: Demorar-se em excesso.
Fadinho serrano: Conversa chata, infindável.
Falca: Pequenos pedaços de cortiça resultantes da descasca da lenha de sobro.
Fandangaria: Pessoas sem qualidade moral.
Fandango: Prostituta; pessoa ruim.
Fandunga: Avarento.
Faneco: Pão.
Farinheira, fazer: Ter problemas de erecção durante a relação sexual.
Farresgo: Companhia; divertimento.
Fastio:  Pouco apetite.
Fatêxa: Dente grande.
Fatinho novo, fazer um: Criticar uma pessoa sem ela estar presente.
Fazer cabeça: Pactuar.
Fazer-se à orça: Roubar; sonegar.
Fega: Colha da azeitona.
Feguêra dôda: Lugar distante e desconhecido.
Feio c’mò julião: Extremamente feio.
Ferra: Pá em chapa de ferro para apanhar o lixo ou a cinza na lareira.
Ferrar a unha na cabeça: Vender muito caro.
Ferrar o cão: Contrair uma dívida sem intenção de a pagar.
Fescata: Festa; convívio; sátira.
Fêto: Feto.
Fezes:  Preocupações, trabalhos e situações difíceis.
Ficar em ‘sclamença: Servir de lição para o futuro.
Figo chumbo: Figo da índia.
Fino c’mà lã de cágado: Esperto.
Flama: Chama.
Focinho de bácro guloso: Pessoa esquisita na sua alimentação.
Focinho de porco: Expressão facial zangada.
Folinhas: Pessoa frágil.
Fona: Sovina.
Fona, numa: A trabalhar arduamente.
Fonica: Remendo de pequena dimensão.
Fora figo!: Interjeição usada para manifestar rejeição de algo.
Fraterna: Sofrimento.
Fróita: Pessoas desprezíveis.
Fronha: Mentira; face, rosto.
Fueiro:  Pau comprido e aguçado numa das pontas que se colocava nos lados dos carros de agrícolas para carregar cereais em rama.
Funda: Azeite produzido por uma certa quantidade de azeitona.
Fusca: Matéria vegetal que se destina a ser queimada.
Gal’ capão: Adolescente.
Galada: Melancia em que se fez um galo.
Galado: Ovo fecundado.
Galar: Fazer um galo; fecundar.
Galego: Pessoa do norte de Portugal.
Galhapanas: Rapaz de pouca idade.
Galinha que caça ratos: Alguém com boa posição social e que constitui apoio seguro.
Galo: Corte que se faz nas melancias para ver se estão maduras ou saborosas; parte central da melancia.
Ganhar o quêjo d’ ôro: Ter um casamento sem conflitos.
Ganhar sapatos novos: Contar uma novidade.
Garganêro: Comilão.
Garra: Cabelo.
Garrafada: Preparado com vinho, ovos e açúcar para dar fortaleza ao corpo.
Garrão: Grande.
Garrinho: Pequenino.
Garripas: Cabelos compridos.
Garrota: Bengala.
Garrudo: Cabeludo.
Gato: Remendo.
Gávia: Sesta.
Gear na cabeça: Adquirir experiência na vida.
Godilhão: Galo na cabeça.
Gorpelha:  Saco grande feito de tiras de folha de palmeira para encher de palha ou transportar materiais a granel.
Gradar:  Alisar o terreno lavrado, actividades realizada com grade.
Gravanada: Chuva repentina e abundante.
Gregar :  Vomitar [Santo André Santiago do Cacém].
Grude: Fuligem da chaminé.
Guarda-fumêro: Chouriço feito no intestino grosso do porco.
Guardanholas: Guarda-chuva.

Anúncios

2 thoughts on “Falares alentejanos III

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s