Indisciplina e transferências de escola

indisciplinaO psiquiatra Daniel Sampaio foi  a entrevistado pelo DN a propósito das transferências de escola, a medida extrema aplicável em consequência de processo disciplinar devido a actos muito graves de indisciplina. E mesmo assim sujeita a anuência ministerial, que em metade dos casos não é concedida.

Eu vejo-a como uma medida extrema. Antes dessa medida ser executada há muitas coisas que podem ser feitas, desde a admoestação, falar com o aluno, procurar um compromisso, falar com os pais. Ou mudar de turma, porque há muitos focos de indisciplina que têm a ver com a dinâmica de turma. Só numa situação grave, é que é uma medida aceitável.

Claro que só se chega às medidas disciplinares mais severas depois de se ter, sem resultados, tentado levar o aluno às boas. Suspensões e transferências de escola são sempre o último recurso, e basta pensar na carga de trabalhos e responsabilidades inerentes à aplicação destas medidas para perceber que nenhuma escola o faz de ânimo leve.

Apesar de o psiquiatra reconhecer que a indisciplina é elevada nas escolas, sobretudo no 3º ciclo, e que a transferência de escola pode ser uma medida eficaz no seu combate – “A mudança para outra escola, para outro clima escolar, pode favorecer a mudança do aluno” – congratula-se com o facto de as escolas estarem a recorrer menos a ela. Sinal de que, eventualmente, estarão a conseguir resolver os problemas de outras formas.

Sem dados objectivos para chegar a uma conclusão definitiva, aventuro-me a sugerir que a explicação possa ser outra. Sabendo que as transferências de escola sinalizam as escolas que as propõem como problemáticas em termos disciplinares; sabendo igualmente que a possibilidade de serem desautorizados por um qualquer burocrata ministerial que resolva indeferir o pedido é elevada, os directores evitam expor-se desta forma perante a tutela.

Quando, ainda não há muitos dias, o presidente da ANDE, uma associação de directores escolares, se gabava de nunca ter suspendido um aluno, percebe-se a ideia subjacente: o director que suspende, e ainda mais o que expulsa o aluno para outra escola é o incompetente que não sabe resolver os problemas dentro da escola e por isso exclui e afasta os alunos. Ou seja, como dirá o professor Daniel Sampaio da maioria dos casos de indisciplina, nada que não se resolva com um pouco mais de pedagogia…

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s