As incoerências do senhor reitor

antonio-rendas.JPGO reitor da Universidade Nova de Lisboa quer mais alunos no ensino superior. E falando ao Público com a ligeireza típica de um certo perfil de universitário contente consigo próprio e displicente em relação a temas e a gentes considerados inferiores, disparou:

Precisamos de mais estudantes no ensino superior e, para tal, a primeira coisa que há a fazer é melhorar a situação no ensino secundário. Não podemos continuar a ter alunos que não progridem neste nível de ensino, temos que resolver a questão das elevadas taxas de retenções e também da motivação para os alunos prosseguirem estudos.

Perplexo, fui confirmar a taxa de retenção e desistência no secundário, um valor que tem vindo a descer de forma sustentada nos últimos anos, acompanhando o alargamento da escolaridade obrigatória até aos 18 anos e o aumento da oferta do ensino profissional. Está, segundo os dados oficiais mais recentes, em 16,6%, valor referente ao ano lectivo 2014/15 (DGEEC, Educação em Números 2016, p. 25).

Ora este valor merece ser confrontado com os dados do sucesso na muito gabada Universidade Nova, que fui procurar aos Factos e Números publicados pela instituição. É na página 19 e seguintes que encontramos os gráficos relativos ao sucesso dos alunos. Fiquemos com o primeiro, que é elucidativo. Embora não nos apresente os valores percentuais exactos, dá para ver que apenas cerca de 40% dos alunos de licenciatura concluem os cursos nos três anos previstos, o que representa um insucesso 2,5 vezes superior ao que se regista no secundário.

unl-tx-sucesso.JPG

Deparamo-nos assim com um discurso contraditório sobre o sucesso escolar que tem vindo a ser insistentemente reproduzido pelos nossos decisores e doutrinadores da política educativa.

Por um lado temos o insucesso e as retenções apresentados como um flagelo do ensino básico e secundário: os alunos que não aprendem, que “ficam para trás”, que se desmotivam e desistem e que deveriam transitar de ano a todo o custo porque uma retenção é sempre má.

Da outra parte, o admirável mundo do ensino superior, onde o que interessa é coleccionar matrículas, prolongar os cursos, cumprindo em 4 ou 5 o que era para concluir em 3 anos, fazendo melhorias, mudando de curso ou interrompendo e retomando os estudos. O que dantes era maléfico insucesso, na universidade transforma-se em “experiência de vida”.

Entende-se: quanto mais tempo por lá andarem, mais propinas pagam. E como o financiamento das universidades, a contratação de professores e o próprio funcionamento dos cursos depende do número de alunos existente, percebe-se o interesse em que haja muitas matrículas, ainda que por vezes sejam poucos os que vão regularmente às aulas ou comparecem às avaliações.

Quanto ao que realmente haveria a fazer para que mais alunos, e sobretudo melhores alunos, frequentassem as universidades, seria proveitoso que o senhor reitor, em vez de apontar o dedo acusador aos professores e às escolas do ensino secundário, reflectisse sobre as medidas que estariam ao alcance das universidades para melhorar o acesso e a frequência do ensino superior. E como exercício preparatório, atrever-me-ia mesmo a sugerir ao senhor reitor que tentasse descobrir o que está errado nesta resposta que deu à jornalista:

E vão construir mais residências universitárias?
Não faz parte das nossas prioridades.

Anúncios

2 thoughts on “As incoerências do senhor reitor

  1. […] E há outro problema que tem a ver com a capacidade económica das famílias para manterem os filhos a estudar no ensino superior. Actualmente já são sobretudo jovens de famílias de rendimentos médios ou elevados que conseguem suportar os custos, sobretudo quando os filhos têm de ir residir para outra localidade. Ora alargar o ensino superior a um universo significativamente maior de estudantes implicaria um investimento sério em residências, bolsas e outros apoios aos estudantes carenciados, coisa que alguns dos nossos sapientíssimos reitores não consideram sequer ser matéria que os deva preocupar. […]

    Gostar

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s